quarta-feira, abril 11, 2007

a invenção do pai

quem inventou o pai não sabia o que estava fazendo. ou a vontade é consciente? tem alguma finalidade, boa ou ruim?
isso porque a vontade de ter filhos, talvez a inveja do útero, transformou o ser humano, os que são, e os que não são, mulheres.
para ele, a vontade de ter filhos só poderia se tornar real se alguém cedesse os meios: óvulo, encontro, gestação, parto, primeiros cuidados...
o inventor demorou, mas concluiu que precisava de uma mulher para realizar tal intento. e foi o que fez. disse que a mulher era dele. ela acreditou, e acabou sem saber como era antes. todos se esqueceram. e se esqueceram da semente feminina. ela, também, que se viu na triste ilusão de ser um receptáculo, como a terra. esqueceu de lembrar que ela mesma, mulher, nasce com tantas sementinhas, seus óvulos. ela não é apenas nutrição e sustento, é carne, veias, sangue, e circulação na vida que se forma.
o filho, a filha, amam o pai. ele quis ter filhos. por vaidade, inveja, ou amor? pra deixar rastro, ou herança? conselhos, costumes, outros bens? maus?
quando o pai vai olhar pro filho e agradecer?
talvez, a vontade do filho é que tenha inventado, gerado, o pai.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial